SUSTENTABILIDADE

| O LIVRO

Meio Ambiente & Consumismo

Desde que aprendemos a explorar o substrato geológico extraindo ouro, ferro, prata, diamantes, carvão e outras riquezas, sendo a mais recente o petróleo, esquecemos quase sempre de equacionar uma linha de equilíbrio entre o nós (humanidade) e ela (natureza). Por isso, somos hoje uma casa sem estrutura, mas ainda estamos em tempo de equilibrar o jogo que iniciamos.

   Este livro de João Barcellos, na verdade um resumo de algumas palestras acerca de “Sustentabilidade nos segmentos da Comunicação Visual (gráfica e têxtil)”, dá-nos a dimensão da tragédia que somos e construímos no âmbito da demanda de produtos de utilidade doméstica e industrial; mas, é também um alerta para a busca de soluções com políticas públicas adequadas e tecnológicas.

   João Barcellos oferece-nos, neste seu quinto livro sobre variáveis socio-tecnológicas no quadro da Comunicação Visual, um olhar diferenciado a puxar o empresariado e os técnicos para uma conversa mais focada na produção e no consumismo mais ecologicamente amigáveis – aliás, com exemplos concretos de empresas já em evidência neste mercado tão complexo e sofisticado.

MOREYRA, Carlota M. | Profª de Artes Gráficas. Paris/Fr.

   Além de romance, poesia, história, contos e ensaios, João Barcellos publicou, com a TerraNova Comunic e a Ed Edicon, no Brasil e Portugal, uma série de livros técnicos e atua na imprensa especializada a par da exibição de conteúdos em palestras para professorado e empresariado – a saber: COMUNICAÇÃO VISUAL [2008]; ESTAMPARIA [2010]; DO FABULOSO ARAÇOIABA AO BRASIL INDUSTRIAL [2011]; IMAGEM ESPECIALIZADA [2012]; INDÚSTRIA DIGITAL [2013 + palestra, 2013-2015]; ALQUIMIA, MODA & COMUNICAÇÃO VISUAL [2014] e SUSTENTABILIDADE.

[palestra, 2014 a 2018; livro em 2019]

   João Barcellos é fundador da empresa editorial TerraNova Comunic [1997], co-fundador [2008] da Revista Impressão & Cores e foi co-fundador/editor do jornal O Serigráfico [1996-2007], do Science and Education Journal [Dublin], do En Vivo y Arte [Barcelona] e das revistas Vida & Construção e jCORPUS, entre outros.  

   Agora, em 2019, reviu e ampliou SUSTENTABILIDADE,transformou as palestras em livro, como que a dar um ´fecho´ no ciclo lítero-tecnológico, sendo o ideal o mesmo que preside o Centro de Estudos do Humanismo Crítico(Portugal), que ele representa na América Latina. O livro conta com referências ao empresário brasileiro Sérgio A. Schmitz e ao filósofo português Manuel Reis, além de empresas de referência tecnológica na produção de bens e serviços ambientalmente adequados.

   SUSTENTABILIDADE traça o espírito inovador do empresariado que investe e se faz vanguarda consciente por uma produção e um consumismo socialmente adequados. || Edicon, CEHC & gdNoética 

Novas Fontes de Energia

   Na edição gráfica (finalmente, o livro) João Barcellos possibilita-nos um olhar sobre as novas fontes de energia e dá-nos o exemplo do parque temático montado em Caucaia do Alto (Hot Kids + Bioserve; distrito de Cotia, na Grande São Paulo) onde convivem geradores eólicos, fotovoltaicos, hídricos e biodigestor.

   Nas últimas palestras subordinadas ao tema Sustentabilidade no meio industrial, o autor demonstrou os seus conhecimentos de engenharia (da qual ainda faz ´aula magna´ em diversas universidades) com um foco historiográfico, o que lhe é peculiar. Por isso, não é só ousadia intelectual o ato de João Barcellos converter as palestras no livro Sustentabilidade para alargar a mensagem de uma consciência eco-empresarial e prevenir antes que a Água se vá e a Terra nem nos sirva como tumba!

MARQUES, Fernanda (Fê) | Professora e Serigrafista.

   Ele é assim: o que escreve é o que fala. Por isso, ele é ao mesmo tempo o pesquisador que demora anos ou horas sobre um assunto e o filósofo que ousa poetar acerca de uma circunstância industrial. Este é o João Barcellos que conheci, no Porto, ainda em 1972 no percurso de jovem intelectual a enfrentar a ditadura salazarista e a virar um jornalista investigativo por excelência; e, no início de 1988, quando visitei em Buenos Aires, já era o intelectual a quebrar as barreiras dos ´ísmos´ políticos pela demanda da história humana que precisa de uma releitura sob os auspícios do humanismo crítico. Desde sempre, ele conseguiu ser o tecnólogo e o poeta-jornalista, o professor e o amigo; e, em tudo, como dele disse o Prof. Soares Amora, ´uma luz´.

HERNÁNDEZ, Ruy | Professor e Editor, Barcelona.