Edição 109 | JANEIRO


..: DESTAQUES :..

  • Principal
  • Embaplan
  • Plotagem
  • Serigrafia
  • LECTRA
  • Tucano
  • Estampa Digital
  • BannerJet

Tecido Serigráfico



O que é tecido serigráfico integrado a uma matriz? É um tecido construído especialmente para ser emulsionado e receber uma imagem a ser estampada sobre um objeto no que se denomina impressão permeográfica. Os chineses deram início a esta arte e os japoneses apuraram as tecnologias de aplicação. Conhecer e aplicar os parâmetros de estampagem serigráfica exige profissionais bem treinados. Entretanto, nem só de nylon ou polyester [natural e metalizado] se constrói este tecido: os fios podem ser também de aço, bronze, níquel, fibra de carbono [natural ou revestida]. Os fios são materialmente sólidos e os diâmetros obedecem ao tipo de trabalho a ser executado, i.e., de malha mais aberta ou mais fechada. O tecido é construído segundo variáveis em demanda operacional, como a trama, por ex., e o tratamento superficial. O primeiro fator que define um tecido é a quantidade de fios por unidade de medida considerada a malha. Como se trata de estampar, para cada tipo de tecido há uma quantidade mínima e máxima de tinta depositáveis na matriz, variável com o ângulo e velocidade do rodo e a viscosidade da tinta. Como tudo interfere na impressão e apresentação final do objeto estampado/gravado, eis os parâmetros para estes tecidos: Diâmetro do fio; Quantidade de fios por unidade; Tipo de trama; Calandragem [achatamento dos fios]; Tensões apropriadas ao tipo de rodo.

Tecido & Tinta _ O tipo de tecido é escolhido pelo diâmetro dos fios: fios mais delgados permitem uma impressão melhor, embora sejam mais frágeis. Conhecendo-se os parâmetros dos tecidos, determina-se o volume de tinta que um tecido pode depositar. Considerando a área aberta da malha do tecido temos um volume teórico mínimo; e, se se considerar o volume contido em uma célula com medida igual a distância de um fio até o início do outro [não a distância entre eles], subtraindo o volume ocupado pelos fios propriamente ditos, obtemos o volume teórico máximo.

Tecidos _ O tecido de polyester é o ideal para a impressão serigráfica. Feitos com fios de alta viscosidade este tecido possui [ao contrário do polyester padrão] elasticidade reduzida, o que aumenta mais as qualidades. Os tecidos de poliamida (nylon) têm uma resistência mecânica excepcional, o que os torna altamente adequados para a impressão de pastas e tintas abrasivas (tintas cerâmicas, tintas reflexivas). A alta elasticidade desse tecido torna mais fácil a impressão de superfícies irregulares (por exemplo, objetos). As películas da matriz e as emulsões aderem melhor aos tecidos de poliamida do que aos tecidos de polyester normais.

Propriedades Físicas / Parâmetros _ Tecidos para impressões serigráficas com diferentes propriedades podem ser produzidos a partir do mesmo grupo de fibras, modificando-se o processo de fabricação da fibra e/ou do tecido. O alongamento do tecido exige: aplicação de forças de tensão adequadas; resistência e estabilidade da malha. Relacionado ao alongamento adequado estão o Registro, o Fora de Contato... e, tudo em conformidade com o material a ser decorado. Em reação à tensão/esticagem do tecido, fabrica-se hoje o Tecido HTLE [High Tension Low Elongation] para tecelagens especiais onde suportam elevadas tensões iniciais de esticagem.

Branco & Amarelo _ O tecido ´branco´ é aplicado com tinta base d´água [camisetas, adesivos, etc.] garantindo um resultado. O ´amarelo´ propiciam boa definição de imagem com a tina base solvente [canetas, frascaria, etc.], principalmente quando se requere grande precisão em objetos pequenos.

O Tecido Em Números _ Quando se fala de tamanhos das tramas em tecidos, falamos de quantidade de fios por centímetro linear, i.e., lineatura. O tecido é composto por fios verticais e horizontais entrelaçados. O espaço entre um fio e outro é onde a tinta quando impressa é vazada para fazer a impressão em nosso produto. Esse espaço pode ser maior ou menor, isso tudo é determinado pelo tamanho da lineatura. Ele é classificado por números: tecido 10 fios, 44 fios, 55, 60, 77, 90, 120, 150, 180 fios e etc.: quanto menor o número do tecido, maior é o espaço entre um fio e outro. Quanto maior for o número do tecido, menor é o espaço entre os fios. A conferir: Fios 32 a 44 para tecidos felpudos e atoalhados; Fios 50 a 77 para tecidos lisos e não muito finos, como brim, as malhas e algodão e desenhos chapados; Fios 90 a 100 para retículas de até 12 pontos e desenhos detalhados, tecidos lisos de qualquer espessura; Fios 120 para papel, papelão, vidro, materiais impermeáveis, madeira, couro, plásticos e tecidos finos como a seda; e Fios 150 a 180 para retículas finas, desenhos detalhados e semitons.


Obs.: apontamento composto com informações diversas de Fremplast, MiniScreen, Sefar, Agabê, Gênesis.

EMBAPLAN
da embalagem ao transfer

Uma das empresas ´top´ na linha da estampa personalizada é a Embaplan. Sediada em São Paulo, no bairro Casa Verde Alta, a empresa é uma das mais requisitadas tanto para o acabamento de moda casual quanto personalizada, especialmente esportiva.

A origem da Embaplan está no ramo da embalagem cartonada e forrada, mas passou a operar no ramo gráfico a partir de 1988 com parque próprio e, em 1994, com a ampliação do mercado da plotagem de recorte no Brasil, lançou a linha de filme termotransferível Power Film para atender essa demanda tecnológica.

Em conversa rápida com a Reportagem I&C, o diretor Valter Zuanella, numa das feiras de segmentos da comunicação visual nas quais a empresa é presença habitual, sublinhou que “a linha de filme para transfer da Embaplan aplica-se em material feito com fibras naturais, linha, algodão..., além dos tecidos sintéticos”, daí o sucesso que, até hoje, coloca a Embaplan no ´top´ da estampa personalizada.

Eis uma empresa brasileira, entre outras, que demonstra a pujança tecnológica do Brasil industrial que dá certo.

www.embaplan.com.br

PLOTAGEM
do gráfico ao têxtil
um mercado em expansão

Impressora construída com elementos microeletrônicos e ciência da computação, a plotter tanto faz estampas de grande formato em papel, tecido e outros suportes, como corta os desenhos impressos. Sim, existe a plotter de corte, a plotter de impressão e... a plotter que imprime e corta. Já vivemos este ambiente industrial nas oficinas de comunicação visual gráfico-têxteis, porque produzimos sinalização, estampas, etiquetas, decoração de ambientes e frotas, painéis de grande formato em tecido e lona e outros materiais flexíveis, rígidos e semirrígidos. Por ser uma impressora que ocupa pouco espaço, a plotter é dimensionada para diversas áreas, como estilistas de vestuário e de veículos motores, etc., engenharia, gabinetes de publicidade, uma vez que ela permite apresentar uma coleção ou uma peça para que as partes interessadas possam decidir pela peça final. Os programas [software] desenhados para a impressora [hardware] especificam as normas gráficas ou têxteis para operacionalizar o produto nos parâmetros adequados, desde a tinta às cores passando pelo material que irá receber o desenho/estampa. A computação gráfica é o eixo tecnológico que faz movimentar a plotter e a plotagem, o outro eixo é conhecer e fazer mercado.


Imagens: plotter de impressão/corte da Roland DG e plotter de sublimação E-Jet (J-Teck Global)

Serigrafia & Cortiça

Quem diria... a cortiça não é somente a base de uma rolha que tampa a garrafa e protege o vinho de bactérias. “Um dos suportes mais utilizados para carrear informações (de promoção ou técnicas) é a cortiça, material serigrafado desde os primeiros tempos da estamparia na Península Ibérica. Mas é em Portugal, onde o sobreiro é a árvore nacional, que a casca dessa árvore é tratada como ponto estratégico para a economia, primeiro, no corte de rolhas para as garrafas de vinho, segundo, no corte para material de isolamento acústico e para peças artesanais e diversos objetos promocionais” [Barcellos, 1991]. Serigrafar rolhas e peças planas de cortiça é tarefa fácil? Buscamos a sabedoria de Hajime Otsuka, técnico especialista... Para produtos fabricados com cortiça, como capa de agenda, folhinhas, rolha para garrafas, sapatos, carteiras, cintos, porta copo, chapéus, bolsas, embalagens, bonés, brindes, etc., a estampa [ou gravação, ou impressão] deve ser feita tendo por base uma matriz base d´água, com a qual pode ser aplicada tinta atóxica base d´água [para objetos que não envolvam alimentos, pode ser confeccionada matriz base solvente], sendo que a própria matriz é limpa e lavada com água. A matriz base d´água deve ser confeccionada com tela de polyester ou naylon [colorido ou branco] de 44 a 77 fios, e atenção: usar mais aberto e para desenho mais chapado, para letras e traços finos usar 77 fios. No caso de aplicação de tinta base de solvente usar polyester ou naylon branco ou colorido de 90 a 120 fios, para chapado usar 90 fios, para traços e letras finas 120 fios. Na cobertura da tela, aplicar emulsão com sensibilizador Diazo: a revelação deste tipo de emulsão exige uma fonte de luz com uma lâmpada rica em UV, pelo menos uma lâmpada tipo HQA 400w. Na revelação base d´água opera-se com o mesmo tipo de lâmpada. Com uma fonte de luz de 2000w a 4000w pode se trabalhar com tecido colorido, que não gera problemas com a emulsão Diazo; não tendo este tipo de fonte de luz, deve se trabalhar com tecido branco. Para este tipo de trabalho sobre cortiça utilizar rodo de 60 a 70 shores de dureza. Quanto às tintas: a do tipo base d´água é a mesma aplicada na impressão sobre tecido; o mais recomendado é o de cobertura usado para tecido de fundo escuro. A do tipo base solvente exige tinta sintética fosca. Para secar os produtos serigrafados utilizar secadora de grade em local ventilado ao ar livre.


Obs.1: editorial realizado com apoio do técnico Hajime Otsuka [www.shoppinscreen.com.br / hajimeotsuka@yahoo.com.br], no mercado brasileiro desde 1978 e referência na América do Sul.

Obs.2: a cortiça é de origem vegetal e pertence à família do carvalho – em Portugal, existe também o chaparro, sobreiro mais pequeno. A cortiça é a casca [ou súber] do sobreiro [quercus suber]. Material leve e isolante, e como tem em sua composição suberina [substância gordurosa na parede celular] possui o poder de impedir que agentes tóxicos penetrem na célula. Portugal é o maior produtor e exportador de cortiça.

BARCELLOS, João – in A Cortiça do Nosso Dia-a-Dia não é Casca Grossa, palestra. São Roque / SP, 1991.

Móveis & Couro
um time que dá certo

Duas artes milenárias: a moveleira e a coureira. Entre a era do artesanato da tábua e resina, curtir e cortar a pele, respectivamente..., a era industrial dos Sécs. 18 e 19 tratou de alterar procedimentos para um melhor desenvolvimento dos produtos, mas foi em meados do Séc. 20 que moveleiros e coureiros começaram a ver outra luz para as suas artes utilitárias: a automação de processos. Uma das companhias que apostou na automação de processos para linhas de produção foi a francesa Lectra que, pela demanda tecnológica nos meios automotivo e têxtil, chegou ao moveleiro e ao coureiro no que tange ao dimensionamento e corte automático de peles para móveis estofados com couro e outros objetos utilitários. Um dos processos da Lectra é o encaixe das peças off-line: a máquina Versalis Furtinure fornece online a identificação das imperfeições e logo prepara o encaixe para o corte perfeito do couro; este processo aumenta a eficácia e reduz o desperdício, diminui o tempo de fabricação e maximiza a eficiência do processo. Agora, os equipamentos/programas Lectra estão em linhas de montagem de moveleiros e coureiros de todo o mundo que operam na tranquilidade da eficiência que garante qualidade e bom preço.

Lectra / marketing.brazil@lectra.com

Tucano
TORNADO AUTOMÁTICO

[TA85XY]
O equipamento de pré cura Tornado Automático, com 85 cm de área útil, é utilizado para eliminar a mão de obra auxiliar na cura de resinas serigráficas. Com o sistema automático a uniformidade da secagem é garantida proporcionando o mesmo resultado em todas as áreas de impressão. Com a secagem continua, evita-se a perca de tempo com o ganho em produção, aliado à diminuição de consumo de energia.

TUCANO /  Fone 62-3233.8282
vendas@tucanoequipamentos.com.br

ESTAMPA DIGITAL
a impressão e as cores que
fazem da comunicação visual
uma moda sem idade

O processo...
A confecção da estampa tem 3 estágios: a) criação do desenho; b) impressão; e c) acabamento. E é só? Não. A estampa digital é o que se diz ser hoje o têxtil digital, logo, é preciso conhecer os meandros tecnológicos para que na simplicidade da estampa-quase-pronta no computador pressionar os botõezinhos da máquina. Conhecer papeis e tecidos preparados para digitalização, tendências de mercado gráfico-têxtil e conceitos de aplicação de cores é importante... A impressora digital, ou plotter, reproduz padrões de desenhos, imagens e cores; a plotter possui cabeças de impressão do tipo jato de tinta [inkjet] sob comando de computação gráfica com programas [softwares] especiais. Uma boa leitura e conselhos de técnicos em tintas e plotters ajudam muito neste mercado de alta competição artística e financeira.

Saiba Onde:

Embaplan / 11-3855.2388;
La Estampa / 11-3051.5529;
J-Teck Global / 47-3267.8400 e 11-3473.6443;
Mogk / 47-3323.5844;
Papeis Havir / 11-2976.5233;
Roland DG / 11-3500.2600.

bannerjet no Peru

Na primeira quinzena de setembro o diretor da bannerjet, Marden Alves, esteve em Lima, capital do Peru, para verificar a intensa e conhecida concorrência entre os profissionais de comunicação visual. O que nos diz o executivo brasileiro da experiência? “Você já viu ou pode imaginar uma galeria em que várias empresas estão uma ao lado da outra – literalmente, parede com parede – imprimindo muito e concorrendo cada qual com o seu preço? Quem ganha a batalha? Certamente quem entrega mais rápido (afinal, como diz o ditado, tempo é dinheiro)! Aonde é feito o acabamento? No chão, isso mesmo, no chão. É bem comum você encontrar funcionários recortando pvc, adesivo e lona ao seu lado. Tem até fabricante de letras de acrílico e artista pintando painel com aerógrafo”. Esta experiência demonstra que a América do Sul não está parada no tempo tecnológico, que existe espaço, sim, para parcerias empresariais no continente. O grupo empresarial comandado por Marden Alves está no mercado da Comunicação Visual há 14 anos e leva o nome bannerjet pela marca de um dos produtos importados que disponibiliza no Brasil.

bannerjet // www.bannerjet.com.br
17 3234-2609 / Whatsapp 17 99651-4399











Moda & Comunicação Visual














Editor

















CONCEITOS,
TENDÊNCIAS
& NOVIDADES


COMUNICAÇÃO VISUAL

Conceito & Parâmetros Gerais
Johanne Liffey & J. C. Macedo

LEIA +






J-Teck Novidades J-TECK












TECNOLOGIA

Tecnologia







Painel ExpoPrint


Febratex Painel Maquintex 2015



Blog do Jaime


Blog do Jaime



Impressão & Cores 2016




Tecnotextil Brasil






PARCERIAS

Lectra



MOGK



J-TECK



Gutierrez



Metal Printer



Aplike Auto-Adesivos



Jobplas



Phenix



Embaplan



Restac do Brasil



Nanodot Technology



Aplike Auto-Adesivos



FCEM - Feiras e Congressos



Lingerie of Ceará


ESPECIAL


JOBPLASS






SGIA 2013






SGIA















Indústria Digital | Livro
Lectra - Eu Apoio a Moda BrasileiraASSINATURA